Manter um funcionário: Saiba quais são os custos de funcionário que uma escola tem

planejamento-tributario-para-multinacionais

Muitas pessoas ainda não enxergam assim, mas o custo envolvido em manter um funcionário vai muito além do que o valor do seu salário.

Com isso, é de extrema importância que todo gestor se atente aos valores por trás de um funcionário para que não seja necessário correr riscos.

O contexto acima também vale para escolas. Uma vez que estamos falando de uma empresa, os gestores de uma instituição financeira precisam entender qual é o real valor por trás dos seus funcionários.

Desse modo, o primeiro passo para compreender o valor para manter um funcionário é entender o que são os encargos trabalhistas. Fato que vai contribuir no planejamento financeiro de uma escola.

Você sabe o que são encargos trabalhistas e quais deles influenciam no valor por trás de um funcionário? O que acha de entender melhor sobre este assunto agora?

Portanto, para obter a resposta para a pergunta acima e descobrir mais sobre qual o valor necessário para manter um funcionário, leia este artigo!

Vamos esclarecer tudo sobre este assunto, a fim de sanar as suas dúvidas. Acompanhe a seguir!

O que são encargos trabalhistas e o que eles têm a ver com manter um funcionário?

Antes de compreender qual é o verdadeiro valor para manter um funcionário, precisamos entender alguns fatores antes. O primeiro deles é a definição de encargo trabalhista e como eles se aplicam em uma escola.

Dessa maneira, encargos trabalhistas são os benefícios previstos por lei que devem ser pagos para o quadro de funcionários de uma empresa.

Sendo assim, é de extrema importância que todos eles sejam levados em consideração na hora de calcular o valor de um funcionário. Tais valores são determinantes na hora da tomada de decisão dos empreendedores.

Identificando o verdadeiro valor para manter um funcionário, o gestor de uma escola pode optar ou não pela contratação de novos colaboradores ou até mesmo na manutenção daqueles que já fazem parte do seu quadro.

Voltando para os encargos trabalhistas, é importante ressaltar que eles se manifestam de diferentes maneiras. Com isso, eles não precisam sempre ser recorrentes no pagamento de um funcionário.

Como assim? Alguns encargos trabalhistas podem ser pagos uma única vez, como o 13º salário ou nos casos de desligamento da empresa.

Além disso, também existem o que chamamos de encargos sociais, direcionados para o Estado. Os exemplos mais conhecidos são o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) e o Fundo de Garantia por Tempo de Serviços (FGTS).

Contudo, ambos os benefícios não são pagos imediatamente ao funcionário de uma escola. Muito pelo contrário, eles são pagos em um determinado momento, regulamentados por normas previstas. É o que acontece nos casos de aposentadoria, por exemplo.

Continue acompanhando o nosso artigo sobre o valor para manter um funcionário e entenda mais sobre os encargos trabalhistas. Vamos lá?

Manter um funcionário: quais são os encargos trabalhistas?

Quando falamos em manter um funcionário, existem diversos encargos trabalhistas envolvidos no processo. Com isso, é de extrema importância que os gestores de uma escola entendam quais são eles.

Sendo assim, conheça a seguir alguns dos principais custos por trás da manutenção de um colaborador da sua escola. Acompanhe conosco!

13º Salário

Já apresentamos este exemplo ao longo deste artigo. Estamos falando de um direito para todos os funcionários de uma empresa. Ele pode ser pago por uma escola em duas parcelas, que podem acontecer nos meses de novembro e dezembro.

No entanto, você sabe como funciona o 13º salário? O quadro de funcionários de uma escola devem receber, ao final de cada ano, um salário extra.

Você pode estar se perguntando o que acontece nos casos dos profissionais que ainda não completaram um ano de empresa? Nestes casos, os funcionários recebem o 13º salário de maneira proporcional. Isto é, de acordo com os meses trabalhados.

Férias

Para manter um funcionário, valores como os referentes às férias também devem ser levados em consideração.

Ou seja, todo funcionário, após ter trabalhado durante um período de 12 meses, tem o direito de tirar 30 dias de férias. De acordo com a lei, as férias devem ser remuneradas.

Contudo, o mesmo período de férias deve ser de acordo entre ambas as partes. Isto é, entre empregado e escola. É fundamental que as suas férias sejam cumpridas antes que o colaborador complete dois anos de trabalho.

Vale-transporte

Outro valor envolvido é o referente ao vale-transporte. Estamos falando dos valores pagos para que os funcionários possam se deslocar da sua casa até a empresa. O mesmo vale para o percurso contrário.

No entanto, quando falamos no custo do vale-transporte, é necessário ressaltar que ele é descontado no salário do funcionário. O desconto, feito no salário bruto, equivale a 6%.

Ausência remunerada

Você sabia que existem casos onde o profissional precisa se ausentar do trabalho, sem ter o seu salário descontado?

Contudo, isto só acontece mediante causas específicas. Ou seja, a ausência precisa ser por algum dos motivos a seguir:

  • Funcionário precisou doar sangue (1 dia);
  • Por motivo de ter trabalhado como mesário durante eleições (dois dias);
  • Casamento (oito dias);
  • Nos casos de óbito de pai, mãe, cônjuge ou filhos (oito dias).

Caso seja comprovado alguns dos motivos acima, o profissional pode ter a sua ausência remunerada pela escola.

Licença

O último item da nossa lista são as faltas por causa de licença. Isto é, quando o funcionário pode interromper a sua rotina de trabalho e continuar recebendo o seu salário.

Sendo assim, alguns exemplos de licenças são a de maternidade ou paternidade, tratamento de saúde, dentre outros.

Qual o papel de uma contabilidade na escola?

Até aqui, você descobriu que o valor por trás de manter um funcionário vai muito além do que apenas o seu salário bruto. Os encargos trabalhistas acabam elevando o valor do quadro de funcionários de uma escola.

Desse modo, é de extrema importância que uma escola disponha do suporte de uma contabilidade, a fim de manter todas as informações contábeis em dia.

Acontece que o entendimento errado do valor de um funcionário pode ser a porta de entrada para problemas financeiros em uma escola. E, como estamos falando de contadores, eles possuem conhecimento técnico para contribuir com a gestão financeira de uma instituição de ensino.

Além disso, os gestores precisam entender que o valor para manter um funcionário também depende do regime tributário de uma escola. Com isso, toda instituição de ensino enquadrada no Simples Nacional paga, dentre encargos trabalhistas e benefícios, cerca de 39,37%.

Enquanto isso, as escolas enquadradas no Lucro Real e Lucro Presumido pagam 68,18%. O que significa que toda essa porcentagem não vai para o bolso do funcionário.

Conseguiu agora entender qual o valor por trás de manter um funcionário? Para mais informações, acesse o nosso blog e curta as nossas redes sociais para acompanhar todo o conteúdo que publicamos por lá!

Leia também o nosso artigo sobre Como montar uma escola? Dicas para obter sucesso!

Compartilhe:

Posts

Open chat
Olá, em que podemos ajudar? Fale conosco pelo WhatsApp!